quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

DAVID GILMOUR - PORTO ALEGRE, 16 DE DEZEMBRO DE 2015


Fotos: Gika Oliva
Depois de tocar em São Paulo e Curitiba, David Gilmour encerrou seu primeiro tour no Brasil nesta quarta-feira (16), frente à cerca de 40 mil pessoas na Arena do Grêmio, em Porto Alegre. E essa foi uma daquelas noites em que muitos dos presentes na audiência gaúcha da “Rattle That Lock Tour”, reencontraram a si mesmos, inclusive eu.

Foto: Gika Oliva
Comecei a adentrar o universo do Pink Floyd há exatos 30 anos. Lembro-me das visitas ao Betão (Exclusive) e a Bobbysom, duas lojas já extintas em Santa Maria, invariavelmente em busca de um disco do Pink. Vi “The Wall”, o filme, ainda em VHS, infindáveis vezes. “Comfortably Numb” é uma das minhas canções favoritas. Se com os Beatles é comum vermos os fãs elencarem seu integrante predileto, no caso do Pink Floyd, apesar de apreciar a digital única da guitarra de David, sempre me declarei um Waterista convicto. Gosto do espírito das canções de Roger. Quando o grupo voltou à ativa em 1987, apesar de comprar o vinil, sim, eu fui um daqueles caras que torceu o nariz pela a cisão do quarteto.

Foto: Gika Oliva
Acho que a ficha dessa fase derradeira do Pink caiu em “The Divison Bell”. Por isso quando Gilmour, assim como em Curitiba, voltou a tocar “Coming Back to My Life” em Porto Alegre, eu quebrei a minha promessa de deixar o celular no bolso e fiz a única foto dessa noite mágica. “High Hopes”, obra prima floydiana que também está nesse álbum é outra daquelas músicas que hipnotizam ao vivo. Quando o baterista Stevie D. bate no metal, percutindo um fictício ‘sino do coveiro’, enterra em nós algo que precisa ser enterrado. A letra de Polly Sansom, esposa de Gilmour, sempre me soou como um rito de passagem.

Foto: Gila Oliva
Esse exemplo ilustra que meu Waterismo perdeu parte da sua aparente imutável convicção de antes. Sim, a fase mais Gilmourista do grupo tem lá as suas pérolas. Voltando ao Pink Floyd clássico, bonito ver a emoção pulsando forte em “Wish You Where Here”, homenagem a Syd Barret, e hino das almas perdidas em asilos voluntários (ou não). Pra mim, trata-se de uma das melhores canções de todos os tempos sobre saudade.

Foto: Gika Oliva
Algumas músicas do novo disco do guitarrista, apesar de o álbum ter sido lançado há poucos meses, já estão na boca do povo, é o caso da faixa título e de “A Boat Lies Waiting”.  Gostei de ouvir “Astronomy Domine”, tributo a fase inicial do PF; fechei os olhos em “Us and Them”, pedra preciosa de “Dark Side of the Moon”; a balada folk “Fat Old Sun”, de “Atom Heart Mother”, é um oportuno resgate nesse repertório e os assombrosos riffs de “Run Like Hell” nos relembram a parafernália tecnológica da ópera rock “Roger Waters The Wall”, que também passou pelo Estado há pouco mais de três anos. 

Foto: Gika Oliva
Já “Shine On You Crazy Diamond” é um daqueles sons indivisíveis da persona de Gilmour, é como se fosse uma síntese da sua técnica e estilo. Ver isso bem de perto, é algo impagável.

E no final, com 40 mil vozes encorpando “Time” e “Confortably Numb”, nossos últimos momentos com o músico britânico não poderiam ter sido melhores. Destaque para a superbanda de músicos, entre eles o guitarrista Phil Manzarena (também responsável pelas bases elegantes do Roxy Music) e o tecladista Jon Carin (coautor de “Learning to Fly”, de “A Momentary Lapse of Reason”), além do saxofonista brasileiro João Mello.

Antes de partir para a Argentina, nova etapa do tour sul-americano, hoje pela manhã David colocou um comunicado no seu Facebook agradecendo e dando detalhes sobre cada apresentação no Brasil. “A Arena do Grêmio é uma das joias de Porto Alegre”, disse o artista. Sim gremistas, comemorem. Eu colocaria essa frase numa placa em letras graúdas e convidaria o guitarrista para a solenidade de descerramento.

Setlist Porto Alegre:

5 A.M.
Rattle That Lock
Faces of Stone
Wish You Were Here
A Boat Lies Waiting
The Blue
Money
Us And Them
In Any Tongue
High Hopes
Astronomy Domine
Shine On You Crazy Diamond (Parts I-V)
Fat Old Sun
Coming Back To My Life
The Girl In The Yellow Dress
Today
Sorrow
Run Like Hell

Bis
Time/Breath
Comfortably Numb

Foto: Gika Oliva

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ÚLTIMA COBERTURA:

BON JOVI - PORTO ALEGRE, 19 DE SETEMBRO DE 2017

Foto: BJA Por Márcio Grings Impossível não afirmar que o Bon Jovi sobreviveu ao teste do tempo. Por mais que suas músicas não estejam...