segunda-feira, 5 de março de 2018

QUEENS OF THE STONE AGE - PORTO ALEGRE, 4 DE MARÇO DE 2018

Foto: Diego Castanho
#
Texto Márcio Grings Fotos Diego Castanho, João Macedo e Camila Gonçalves

A ancestralidade do Queens Of The Stone Age remete a outra banda: o Kyuss. O grupo californiano que defendia o brasão do stoner rock (estilo originário/derivado do hard rock/heavy metal),  virou ícone cult na década de 1990, além de ter em sua formação o protagonismo de Josh Homme  guitarrista, letrista e vocalista que se tornaria conhecido um pouco mais a frente num outro time. Em 1995, Homme abandona o grupo original e forma o Gammaray, mais tarde rebatizado de Queens of the Stone Age. E foi com o QOTSA que ele definitivamente entrou no panteão dos grandes músicos do rock da atualidade. E Homme ainda teve tempo pra arquitetar ao lado de Dave Grohl e de John Paul Jones (Led Zeppelin) o supergrupo Them Crooked Vultures. Ouça "Elephants", um dos sons do TCV AQUI

Foto: João Macedo
Fechando 20 anos de atividade discográfica em 2018, em pleno tour de divulgação de "Villains" (2017), e pouco menos de quatro anos após sua primeira passagem pela Capital gaúcha em setembro de 2014, o Queens of the Stone Age é o responsável pelas preliminares no tour dos correlegionários do FF.

19h, ao som de "Walk the Night" do The Skatt Brothers, Josh Homme e sua trupe entram dançando no palco. Além de Homme (guitarra e voz), na formação Troy Van Leeuwen (guitarra e voz  de apoio); Dean Fertita (teclados e voz de apoio), músico que também esteve no Brasil em 2015 como sideman de Jack White; Michael Shuman (baixo e voz e apoio) e Jon Theodore (bateria). Com essa formação que chega aos 5 anos sem alteração no quadro de integrantes (Homme já utilizou mais de 20 elementos em duas décadas de atividade), ele emplacou 2 álbuns elogiadíssimos pela crítica musical.

Foto: João Macedo
O mesmo homem que já protagonizou episódios polêmicos como os chutes a equipamentos de uma fotógrafa em dezembro do ano passado em Los Angeles, não podeira deixar de produzir resquícios desse comportamento por aqui. Na Pedreira Paulo Leminski, dois dias antes da apresentação no RS, disse que veio de cidade pequena [ele nasceu em Joshua Three, localidade com menos de 5 mil habitantes] que não tinha drogas nem álcool nem gente ruim, e que se lhe dissessem que tocaria no Brasil, não acreditaria.

Depois, chutou os leds e derrubou torre de iluminação. No Beira-Rio, apesar de mais comportado em frente as luzes, também mostra sua persona de bad boy falastrão: "Essa é a nossa noite, nossa, de vocês, do Foo Fighters, então vou ficar bêbado", diz o vocalista com seu peculiar tom de transgressão.         

Numa apresentação autocentrada na figura de seu líder, do último álbum, o elogiado "Villains" (2017), ouvimos "Domesticated Animals", "Feet Don't Fail Me", "The Evil Has Landed" e "The Way You Used to Do". O set em PoA também joga luz em "Like Clockwork" (2013), "Lullabies to Paralyse " (2005) e "Songs for Death" (2002), massa corpórea responsável pela maior parte do que ouvimos. Entre os destaques, um dos breves momentos de interação do QOTSA com o público é "Make It Wit Chu", certamente o mais conhecido e radiofônico tema da banda. A surpresa fica por conta de "Regular John", faixa do álbum homônimo de estreia do QOTSA, e número ausente em todos os sets  no Brasil até Porto Alegre.

Foto: Camila Gonçalves
A apresentação encerra com a trilha de 'A Song for the Dead", quando após 1h20, feito uma banda autista e sem uma despedida formal, o quinteto norte-americano abandona o palco ao som de um longínquo feedback da guitarra de Josh. O instrumento agoniza solitário pelos alto-falantes do estádio, igual um bicho morrendo, encarnando o uivo de um coiote com a perna presa numa cerca de arame farpado de uma pequena propriedade em Joshua Tree. Era Porto Alegre... 

Setlist QOTSA PoA:

My God Is the Sun
In My Head
Feet Don't Fail Me
The Way You Used to Do
Smooth Sailing
The Evil Has Landed
Regular John
Make It Wit Chu
If I Had a Tail
Domesticated Animals
Little Sister
You Think I Ain't Worth a Dollar, but I Feel Like a Millionaire
No One Knows
A Song for the Dead

Foto: Camila Gonçalves

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ÚLTIMA COBERTURA:

GLENN HUGHES - PORTO ALEGRE, 28 DE ABRIL DE 2018

Foto: Ton Muller Por Márcio Grings Fotos Ton Muller Glenn Hughes viveu - e ainda vive - uma vida de rock'n'roll. Basta o...