segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

RADIO MOSCOW - PANAMBI, 7 DE DEZEMBRO DE 2014

Foto: Fabiano Dallmeyer
Domingo 16h, 34 graus em Santa Maria. Qual o motivo de 18 cabeças se espremerem numa van rumo a Panambi, num dos dias mais quentes do ano? Por mais que isso pareça algo no mínimo sem sentido, se falarmos que o motivo da trip foi o rock and roll, esse relato se torna ainda mais nonsence.
No entanto, há uma boa explicação. Panambi, cidade localizada ao norte do estado, com cerca de trinta e cinco mil habitantes, possui um dos melhores bares do RS. E lá, neste último dia 07, aconteceu o show da banda norte-americana Radio Moscow, com abertura da Quarto Ácido (Panambi) e Rinoceronte (Santa Maria).

Foto: Fabiano Dallmeyer
O bar:

Pra começo de conversa, o Pubi Handte não é um bar convencional. Além das instalações principais, do senso estético e da coerência dialogando com o ambiente, do palco circundado pela vegetação típica do local, o que mais me surpreende é a área externa do Handte. Na verdade, nunca vi coisa parecida em lugar nenhum. E não sou apenas eu que ficou boquiaberto. Tanto que Anthony Meier, baixista da Radio Moscow, disse nunca ter presenciado algo parecido na Europa, tão menos nos Estados Unidos.

Foto: Fabiano Dallmeyer
Trata-se de uma espécie de bosque com dezenas de árvores, jardins, um camarim campeiro onde é servido um típico churrasco gaúcho, micro cervejaria (fabricação a cargo do Mestre cervejeiro Thales Handte) com chope liberado para todos os envolvidos na cobertura do evento, além de um tratamento único pelos proprietários. Vários amigos já haviam tocado no Hantke, e sempre falaram maravilhas de lá. Era tudo verdade. E quando você encontra uma francesa vestida com roupas típicas alemãs, só que falando um português fluente, aí você percebe que o mundo realmente nunca foi tão pequeno.

Quarto Ácido:

Quarto Ácido. Foto: Stéphanie Chauvin

21h07min, a Quarto Ácido, prata da casa, sobe ao palco para mostrar seu som instrumental repleto de referências setentistas. Formada por Pedro Paulo (guitarra), Flavio Mecking (baixo) e Alex Przyczynski (bateria), no setlist, temas como “Euphrates”, “Psichodelic Pilger”, “Feelind Dead” e “Supersense”, além de outros números que compõem os dois EPs lançados pela banda. Dá pra dizer que a Quarto Ácido faz um som que passa principalmente pelo Acid e prog rock, no entanto, é perceptível que o trio também joga de leve elementos que incidem até mesmo pelo regionalismo gaúcho ou punk. Destaque para Przyczynski, baterista que coreografa a lá Ginger Baker, um daqueles caras que nos prendem a atenção no palco.

Rinoceronte:

Foto: Jéssica Martini
22h05min. Já vi a Rinoceronte dezenas de vezes, nunca como na noite deste domingo. Paulo Noronha (guitarra e voz), Vinícius Brum (baixo e voz), e Alemão (bateria), pareciam estar em casa. Endiabrados. E de fato, estavam. As músicas da Rino já fazem parte do nosso vernáculo roqueiro. Com dois álbuns no currículo, não tem como não bater o pé ao reconhecermos canções como “Qualquer Lugar”, “Nasceu”, “O Instinto”, “E Eu Que Não Queria” e “Furacão”, recortes da noite que facilmente ganham o coro da audiência. Enquanto fazia seu trabalho, Fabiano Dallmeyer, fotógrafo da On The Rocks, pegou um diálogo entre o baixista e baterista da Radio Moscow. Paul Marrone disse que essa era a melhor banda que vira em sua passagem pelo Brasil. Já Anthony Meier chancela as palavras do colega com um “Fucking amazing!”. Sim, é incrível o que o trio santa-mariense anda tocando. Melhor show que já vi da Rinoceronte.

Foto: Fabiano Dallmeyer
Radio Moscow:

00h05min, madrugada de segunda. Pense numa banda que toque num volume muito alto. Ok, agora multiplique por dois. Assistir aos norte-americanos da Radio Moscow, em primeiro lugar, é uma experiência que pode nos levar facilmente a problemas auditivos. Aqui fala um cara que há mais de três décadas já assistiu uma porrada de apresentações musicais, e posso afirmar com nunca recebi tanta volumêra batendo no peito.  “Nem no show do Krisiun fiquei tão surdo”, disse Marcel da Silva, um dos sujeitos que veio de Santa Maria para assistir ao evento. Metade do repertório da banda em Panambi foi pinçado do álbum de estreia lançado em 2007, trabalho que foi apadrinhado por Dan Auerbach, líder do The Black Keys, e também por músicas de “Magical Dirty”, disco lançado esse ano.

Foto: Fabiano Dallmeyer
Para que não sabe, a Radio Moscow tem um dono: Parker Griggs. Guitarrista, vocalista e principal compositor, único remanescente da formação original, músico nascido no estado do Iowa que atualmente tem ao seu lado Anthony Meier (baixo) e Paul Marrone (bateria), mesmo time que gravou “Magical Dirty”. O entrosamento é tamanho, que praticamente não há trocas de olhares entre o trio, um provável fruto da extensa agenda de apresentações que ainda passará pelo Uruguai, Argentina e Chile. E esse tour de force fica visível até mesmo em canções antigas como “Deep Blue Sea” (uma das minhas preferidas), blues que se torna muito mais pesado e dinâmico quando tocado ao vivo pelo grupo.


Foto: Fabiano Dallmeyer
Mas o bicho pega mesmo quando Griggs, Meier e Marrone fincam temas recentes como “Rancho Tehama Airport”, “Death of Queen”, “Before It Burns” e “Gypsy Fast Woman”, onde as novas cores da banda saltam os olhos. Vocal beirando o gutural, peso absurdo na cozinha, guitarra no talo e todas as nuanças enquadradas dentro do naipe stoner rock, gênero que dialoga com um blues extremamente pesado, hard rock psicodélico e acid rock. 1h18minutos, ao som dos últimos acordes de “Scape”, uma das melhores de “Brain Cycle”, álbum de 2009, temos então o número finais. Saio do bar com o ouvido esquerdo zumbindo, meio como se fosse um rádio mal sintonizado vazando chiadeira.


Foto: Fabiano Dallmeyer

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ÚLTIMA COBERTURA:

COLDPLAY - PORTO ALEGRE, 11 DE NOVEMBRO DE 2017

Foto: Ton Muller # Texto Ana Bittencourt Fotos Ton Muller Cultivar expectativas não é muito a minha praia. Essa é uma postura que...